Müller Martini dá o timbre para a fábrica inteligente

O que realmente torna um sistema de acabamento inteligente? Quando as experiências e os processos automatizados dos encadernadores são integrados de forma ideal numa máquina! Nos últimos anos, a Müller Martini conseguiu o que nenhum outro fabricante de sistemas alcançou. Sem sombra de dúvidas, é pioneira no que diz respeito ao conceito de fábrica inteligente, algo que provou com os seus sistemas altamente automatizados no stand 1B50 da Drupa.




 

 




Existem três razões para o sucesso da empresa nesta área. Em primeiro lugar, a Müller Martini abordou este tema-chave na indústria gráfica muito antes dos seus concorrentes. Um exemplo típico disso é a SigmaLine. Há 20 anos, na drupa 2004, a Müller Martini foi a primeira empresa a apresentar uma solução completa e única para a produção de livros. Este sistema para a produção económica de pequenas tiragens – inteiramente de acordo com o lema “PDF entra, livro sai” – tem sido desenvolvido continuamente. A SigmaLine III foi adicionada em 2021 e, há alguns meses, o sistema de produção de blocos de livros a SigmaLine Compact foi adicionado ao portfólio como mais um membro da família SigmaLine. Adrian Mayr, Diretor da Gestão de Produtos da Müller Martini, comenta: “Dessa forma, podemos servir ainda melhor o mercado e atender ainda mais às necessidades dos clientes”.

Cadeia de fornecimento eficiente
Em segundo lugar, com a estratégia de desenvolvimento Finishing 4.0 lançada na Drupa 2016, tudo na Müller Martini está focado nos tópicos de conectividade, automatização, variabilidade e fluxo de trabalho. “Garantimos uma cadeia de fornecimento eficiente para manter baixos os custos de produção, apesar da crescente personalização dos produtos – por exemplo, o boom global de álbuns fotográficos produzidos principalmente com uma tiragem de 1”, diz Adrian Mayr.
E em terceiro lugar, graças à sua base global de clientes com requisitos específicos, conseguiram adquirir uma grande experiência que foi incorporada nas suas soluções. Por exemplo, os EUA são líderes na produção digital e a Müller Martini incorporou toda a experiência obtida ali em muitos outros projetos em todo o mundo.

Compreender o fluxo de dados
Mesmo que a Müller Martini perceba um interesse crescente por parte dos seus clientes nas áreas da transformação digital e da fábrica inteligente – não raramente associada a uma mudança de geração, em que jovens com visões modernas se tornam os tomadores de decisão – muitas operações gráficas ainda estão muito longe de uma fábrica inteligente. Pois temos que admitir que existem alguns obstáculos.
Para além do investimento em novas tecnologias – ou seja, máquinas digitais – é necessária alguma experiência para os correspondentes (novos) processos de negócios. Markus Bracher, Diretor de Engenharia de Soluções da Müller Martini enfatiza: “Em particular, é fundamental compreender todo o fluxo de dados. Somado a isso está uma certa sensação de insegurança. Muitos dos nossos clientes perguntam-se sobre o que o mercado (digital) pode fazer por eles e se os seus investimentos serão recompensados.”

Nada funciona sem um sistema de fluxo de trabalho
Um factor importante na procura de uma maior automatização é – tendo em conta a falta de trabalhadores qualificados – o factor pessoal. É por isso que a Müller Martini está a trabalhar com a Hunkeler numa outra peça do quebra-cabeça para a fábrica inteligente; estamos desenvolvendo novas soluções intralogísticas com esteiras, buffers, carrinhos e robots para alimentação e entrega de cadernos, blocos de livros e capas para produção de livros digitais. É assim que máquinas individuais se podem tornar células de produção autónomas com secções de transportes inteligentes. E na Drupa 2024, a Müller Martini também apresentará uma máquina de costura de livros Ventura MC com robot Solema, que empilha os produtos acabados na palete.
O sistema de fluxo de trabalho é a chave para uma produção eficiente na fábrica inteligente. “Com o nosso sistema Connex, os clientes obtêm o melhor da sua produção – através de um fluxo de trabalho completamente automatizado, desde a fase de pré-impressão até à produção do produto final”, afirma Markus Bracher. “Sem o Connex, teríamos ilhas de produção individuais e um conjunto de máquinas. Apenas o Connex, como um sistema de fluxo de trabalho escalável com o qual os nossos clientes podem decidir quais os blocos de construção de que necessitam, permite que a fábrica inteligente seja um sistema integrado.”
 

Copyright © Grafopel 2015 - Designed by Fullscreen.